Dia nacional do livro!

Posted on novembro 1, 2010

5


Pensadores meus, eu sei que o dia não é hoje, foi dia 29/10, mas como eu disse no post anterior, não foi possível postar. Posto pra vocês em primeira mão e inspirada pela minha amiga Thaís que também homenageou esse dia, algumas indicações de livros que fizeram (e fazem!) minha vida. E não se esqueçam de que já indiquei vários outros hein! aeuhae no post Moda Alice e no Thanks for the memories. Indico os do post da Thaís também!

1 – Minha eterna coleção, meus livros mais absolutos que eu já li na vida, a série: Desventuras em Série. Até hoje não achei uma coleção que me fizesse tanto bem quanto essa. Comecei a ler na 6ª série (do 1 ao 11). Na 8ª (2006) eles lançaram o 12 e o 13. Vocês não sabem como foi esperar pelos volumes novos! O 13º eu comprei de pré-venda na saraiva e terminei em 4 horas, no mesmo dia que chegou! aeuhaeuhaeuh Tardes maravilhosas foram tomadas pela crônica sobre a vida de 3 órfãos: Violet, Klaus e Sunny Baudelaire. Inteligentes, sagazes e ao mesmo tempo, inocentes. Viajei junto com eles para os lugares onde foram enviados, me senti dentro do livro, graças às descrições e à narrativa maravilhosa de Lemony Snicket (que na verdade se chama Daniel Handler). Recomendo total. Os livros fazem referências a outros autores e livros, clássicos eternos.

2 – Minha 2ª eterna coleção. aeuhea A série: O diário da princesa. Pra quem só viu os filmes, esqueça-os. Por melhor que sejam (eu também gosto) os 10 livros que compõem a série são muito melhores e completamente diferentes! Aqui, Mia tem pai vivo, sua avó é totalmente cruel e Michael não sai da história! *-* Comecei a ler na 5ª série em 2003 como um presente da minha dinda. Amei a história e fui comprando, na época só tinha até o 6º livro. Mia Thermopolis me acompanhou da 5ª série ao 3º ano do ensino médio, sempre responsável pelas minhas maiores gargalhadas!

3 – Minha 3ª eterna coleção, também da Meg Cabot, a série: A Mediadora. Muuuito antes de gostar de Ghost Whisperer, comecei a gostar de histórias com fantasmas através dessa série. Fiquei curiosa para ler por já estar lendo o diário da princesa e procurar outras publicações da mesma autora, que adorei! A protagonista é durona, uma mocinha que parte pra luta e não espera ninguém para salvá-la. Tem também um fantasma bonitão que é óbvio que não vou contar o que acontece com ele. São seis casos, em sequência que acontecem após Suze se mudar de cidade. Curiosos? Leiam! aeuheuh Como já estavam todos lançados, li tudo no 1º ano, quando descobri a biblioteca da minha nova escola. Posso dizer que esses livros me acompanharam em várias tardes, enquanto eu ainda não fazia amizades sólidas.

4 – A menina que roubava livros, de Markus Zusak. Conheci esse livro no 2º ano (2008) na biblioteca da escola. Aluguei mas tristemente tive que devolver porque fiquei com catapora e ia passar a data de entrega se eu ficasse com ele. O que aconteceu? Isso mesmo, minha mãe me deu ele, vendo que eu estava passando dias e noites com a cara enterrada entre as páginas daquela história fantástica. Se passa na Alemanha, na época da segunda guerra mundial. Já começa por aí, sou fascinada pela história da segunda guerra, leio e vejo tudo que posso sobre o assunto. Liesel Meminger era uma menina comum, que já tinha sofrido com algumas trágédias em sua vida, até que descobre a biblioteca de um rico casal. Sua vida muda quando descobre os livros. A história é narrada por ninguém menos que a morte.

5 – Como estou um pouco viciada em tragédias gregas, graças à minha professora de teoria da literatura, indico 4 delas aqui. Édipo-Rei, Antígona, Édipo em Colono (Sófocles) e Prometeu acorrentado (Ésquilo). São histórias interessantes, fascinantes, com toda uma análise sobre política, família e psicologia por trás delas. A única que eu conhecia antes da faculdade é Édipo-Rei, que li na 7ª série. Gosto também porque me interesso muito pela mitologia grega, é algo como a 2ª guerra. Essas partes da história me encantam demaais!

6- Capitães da areia, de Jorge Amado. Conheci esse na 6ª série (2004), por um fragmento na prova de português. Logo fiquei curiosa. Aluguei na biblioteca assim que saí e fui devorando o livro. Acompanhei a história de Pedro Bala e seus amigos com tanto gosto que foi difícil piscar! Amei as descrições perfeitas que me fizeram me sentir nos lugares narrados, amei o modo como os personagens vão se modificando, crescendo, amadurecendo.

7 – A Moreninha, de Joaquim Manoel de Macedo. Esse também descobri na aula de português, por um trabalho que tive que fazer sobre romantismo na 7ª série (2005). Sim, sim, eu sei que o português arcaico pode ser MUITO chato. Eu mesmo não gosto. Mas o que me prendeu foi a história fofinha e bobinha de romance entre os protagonistas. É algo que quase se iguala a uma comédia romântica. É MUITO FOFO! aeuhaeuha Ignorem a linguagem e se foquem na história, aposto que vão achar tão bonitinho quanto eu achei. E quando sua professora mandar você ler lucíola ou senhora para a escola, pra entender o ramantismo, leia a moreninha. Tem o mesmo efeito e é muito melhor. Palavra de quem já leu os três. ;D

8 – Vamos fechar com chave de ouro? A cartomante e outros contos, de Machado de Assis. Páára tudo! Descobri Machado só no 2º ano, estudando realismo e me arrependo um pouco. Os textos dele são MUITO bons e tem muito a ensinar e a revelar que apesar de o Brasil ter se modificado em governo e em estética, continua com a mesma mentalidade. Sou suspeita porque minha fase favorita depois do pós-modernismo é o realismo, então eu gosto de quase tudo dessa época. Mas o jeito como Machado narra e dispõe as palavras e fatos, é muito boa. Tem toda uma análise psicológica por trás dos textos dele, que prendem o leitor ao livro. Vale muito a pena!

Então é isso! Parabéns aos livros e aos autores! Obrigada por terem me proporcionado horas de risos, diversão, distração e porque não, amizade. Não sei se eu viveria num mundo sem livros concretos. Sou simplesmente apaixonada pela forma, cheiro e estilo deles. Por isso sou tão contra esse onda de tecnologia que quer acabar com os livros impressos. Gosto de segurá-los, percorrer o dedo pelas páginas, ter um contato íntimo com eles. Guardo os meus com a maior paixão e sou ciumenta com cada um deles, desde o que eu ganhei com 3 anos até o que eu acabei de comprar. É muito difícil eu gostar de emprestar algum, chega a beirar o egoísmo. aeuhea Amo a literatura e tudo de bom que ela pode oferecer.

Anúncios
Posted in: Cultura, Literatura