Estupidez

Posted on abril 24, 2010

5


Essa foi a única palavra que eu achei pra descrever o que vou relatar agora. Nós estamos sempre pensando em como evoluir, como avançar tecnologicamente, como crescer… E nunca pensamos em quão atrasadas algumas áreas do mundo são. Hoje me veio a calhar o Paquistão/Irã. Não conheço as partes boas desses lugares então não vou falar. Mas as partes ruins, sensacionalismo ou não, entram em evidência. Essa semana, um dos chefes de estado de lá tiveram a desventura de dizer que o mundo está ruindo porque as mulheres usam roupas indecentes. Chamo isso de uma tremenda ignorância. As mulheres de lá usam a burca, só deixam de fora os pes e rosto. Isso é indecente? Então o Brasil acabou com o mundo! É uma falta de conhecimento científico, uma mania de se achar certo e vício de ter a mente sempre fechada para coisas novas. É por isso que coisas como violência contra a mulher lá é natural. Que as sanções contra o enriquecimento de urânio sejam aprovadas!!! Cuidado, imagens fortes.

Irum Saeed, 30 anos foi queimada no rosto, costas e ombros há 12 anos atrás, quando um rapaz a quem ela rejeitou em casamento jogou ácido nela no meio da rua.

Shameem Akhter, 18 anos, foi estuprada por três rapazes que jogaram ácido nela  há três anos atrás.

Najaf Sultana, 16 anos, Aos cinco anos, Najaf foi queimado pelo pai dela, enquanto ela estava dormindo, porque ele não queria ter uma outra menina na família. Como resultado da queima de Najaf ela ficou cega, e após ser abandonada por seus pais, ela agora mora com parentes.

Kanwal Kayum, 26 anos, foi queimada com ácido há um ano atrás por um rapaz com quem ela rejeitou o casamento.

Bushra Shari, 39 anos, foi queimada com ácido jogado por seu marido, há cinco anos porque ela estava tentando se divorciar dele.

Saira Liaqat, 26 anos. Quando ela tinha quinze anos, Saira era casada com um parente que mais tarde iria atacá-la com ácido depois de insistentemente ter exigido para viver com ela, embora as famílias haviam concordado que ela não iria acompanhá-lo até que ela terminasse a escola.

Esses infelizmente não são os únicos casos, não existe nesses países nenhum tipo de controle sobre a venda de ácidos perigosos como o sulfúrico ou o nítrico. E também não é a única maneira de violência.  São países injustos, que tratam mulheres como coisas. Enquanto elas cuidam dos milhões de filhos e se submetem a esse tipo de barbárie, os homens podem sair, se divertir, beber, trair as milhões de mulheres que “possuem” e trabalhar. Que o mundo saiba dessas coisas e comece a forçar uma mudança. Lula, peloamor, não faça amizade nem aprove “presidentes” dessas regiões, seu asno!

– Leitura recomendada:

Persépolis – Quadrinhos autobiográficos de Marjane Satrapi

Anúncios